Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Conitec abre consulta pública para atualização de protocolo sobre Guillain Barré
Início do conteúdo da página

Conitec abre consulta pública para atualização de protocolo sobre Guillain-Barré

  • Publicado: Segunda, 20 de Julho de 2020, 09h28
  • Última atualização em Sexta, 07 de Agosto de 2020, 11h47
  • Acessos: 250

Prazo para participação se encerra no dia 10 de agosto. Recomendação de atualização considera aspectos relacionados ao diagnóstico, tratamento e monitorização de pacientes com a síndrome

A síndrome de Guillain-Barré conta com tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS) e dispõe de um Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) que deverá ser atualizado, conforme análise inicial feita pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec). A demanda é da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde (SCTIE) do Ministério da Saúde. O tema está disponível para consulta pública até o dia 10 de agosto.

A Guillain-Barré é uma doença rara, um distúrbio autoimune com impactos no sistema nervoso. Geralmente provocada por um processo infeccioso anterior, a doença manifesta fraqueza muscular, com redução ou ausência de reflexos.

Participe da consulta pública.

A recomendação de atualização analisada pela Conitec considera aspectos relacionados ao diagnóstico, tratamento e monitorização de pacientes com a síndrome, bem como de outros casos especiais. Observa, por exemplo, a verificação periódica das doses medicamentosas prescritas e dispensadas e a adequação de uso do medicamento indicado.

Acesse a proposta de PCDT.

O atual PCDT prevê a disponibilidade do medicamento imunoglobolina intravenosa (IgIV) e do procedimento plasmaférese, que é uma técnica de transfusão que permite retirar plasma sanguíneo de um doador ou de um doente.

No pedido de atualização do protocolo, a SCTIE sugere que seja feito ainda um alerta ao gestor para que se organize no sentido de evitar o fornecimento concomitante da imunoglobulina humana pela Autorização de Internação Hospitalar (AIH/SIH - SUS) e Solicitação/Autorização de Medicamentos (APAC/SIA-SUS).

Segundo dados do Ministério da Saúde, o Brasil conta hoje com 136 Centros Especializados em Reabilitação, que atendem pacientes com a Síndrome de Guillain-Barré pela rede pública. O tratamento incluiu procedimentos, diagnósticos clínicos, reabilitação e medicamentos.

registrado em:
Fim do conteúdo da página