Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Conitec amplia dosagens de medicamento para o tratamento de hipotireoidismo congênito no SUS
Início do conteúdo da página

Conitec recomenda ampliação de dosagens de medicamento para o tratamento de hipotireoidismo congênito no SUS

  • Publicado: Segunda, 21 de Setembro de 2020, 15h06
  • Última atualização em Terça, 13 de Outubro de 2020, 17h43
  • Acessos: 201

Além de garantir tratamento mais adequado, a disponibilidade de dosagens intermediárias de levotiroxina sódica contribui para menos erros de administração e desperdício

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) recomendou a incorporação das apresentações de 12,5 e 37,5 mcg de levotiroxina sódica para o tratamento de pacientes com hipotireoidismo congênito, conforme protocolo do Ministério da Saúde, no âmbito do SUS. A condição de saúde surge ainda durante a gravidez e se caracteriza pela diminuição ou ausência de hormônios da tireoide. A medida amplia o que já preconiza o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) atual do hipotireoidismo congênito (com a disponibilização na rede pública de comprimidos de 25, 50 e 100 microgramas (mcg)).

Para o Plenário, trata-se de uma forma de garantir o tratamento mais adequado, uma vez que facilita o ajuste das doses medicamentosas que pode aumentar ao longo do processo de tratamento e do desenvolvimento infantil. A disponibilidade de dosagens intermediárias diminui a necessidade de partir comprimidos para complementar as doses, contribuindo para menos erros de administração e desperdício. 

Além disso, a inclusão das dosagens não deve implicar em qualquer aumento de gastos.

Clique aqui para ter acesso ao relatório final.

O tratamento procura assegurar o crescimento e desenvolvimento adequados da criança e manter os níveis de hormônios tireoidianos dentro dos valores esperados para cada idade. A frequência desse monitoramento é definida a partir dos dados clínicos e laboratoriais.

Saiba mais

A tireoide é uma glândula que fica localizada na frente do pescoço. Ela atua sobre todos os sistemas do corpo e em vários órgãos, como o coração, fígado, os rins e o cérebro. Por isso, o seu bom funcionamento é essencial para o equilíbrio do organismo.

O hipotireoidismo congênito é a forma mais comum de enfermidade congênita do sistema que regula a produção hormonal no corpo e a principal causa prevenível de deficiência mental. Mas é importante lembrar que, mesmo quando diagnosticada precocemente, é fundamental tratar e acompanhar o quadro de forma adequada. Isso porque, caso não seja feito, podem aparecer complicações e prejuízos irreversíveis do desenvolvimento mental e do crescimento.

O hipotireoidismo crônico pode ter várias causas. Nos locais em que a ingestão de iodo é suficiente (como é o caso do Brasil), as principais causas dessa condição costumam ser o posicionamento de tecido da tireoide fora do local habitual, a diminuição da tireoide por parada do desenvolvimento na fase embrionária e a deficiência na síntese hormonal.

A evolução do quadro depende, principalmente, de três fatores: o período de tempo corrido até o início do tratamento, a intensidade do hipotireoidismo e a manutenção dos níveis hormonais dentro da normalidade.

Tratamento no SUS

O Programa Nacional de Triagem Neonatal, desenvolvido pelo Ministério da Saúde em parceria com as secretarias estaduais e municipais de saúde, faz a detecção do HC. Isso ajuda a identificar e tratar precocemente os casos, sendo possível prevenir o comprometimento intelectual e crescimento dessas crianças.

registrado em:
Fim do conteúdo da página