Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > CONSULTA PÚBLICA PARA INCORPORAÇÃO DE MEDICAMENTOS PARA TRATAMENTO DE TUBERCULOSE EM CRIANÇAS
Início do conteúdo da página

Consulta pública para incorporação de medicamentos para tratamento de tuberculose em crianças

  • Publicado: Sexta, 28 de Junho de 2019, 16h14
  • Última atualização em Quinta, 18 de Julho de 2019, 15h49
  • Acessos: 451

Está aberta até o dia 16 de julho a consulta pública sobre a incorporação de uma nova forma de apresentação dos medicamentos para tratamento de tuberculose em crianças de até 10 anos.

Atualmente, o tratamento da tuberculose é oferecido exclusivamente pelo SUS e inclui a combinação de medicamentos. Estes são ofertados em doses que envolvem mais de um comprimido, como no caso do tratamento infantil na fase intensiva da doença, em que é necessária a administração da rifampicina, isoniazida e pirazinamida simultaneamente, com diferentes apresentações. 

A Conitec avaliou a inclusão de uma dose fixa combinada, dissolvível em água, desses três fármacos (rifampicina 75 mg + isoniazida 50 mg + pirazinamida 150 mg).

Nos estudos avaliados pela Comissão, não foram observadas diferenças significativas entre os efeitos do tratamento já ofertado, com doses combinadas, e da dose fixa. Apesar disso, a o plenário da Conitec recomendou, inicialmente, a incorporação dessa apresentação, por considerar ser mais aceitável para crianças e, assim, aumentar a adesão ao tratamento e, também, as chances de cura. Leia aqui o relatório técnico. 

Transmissão e grupos de risco

A tuberculose é uma doença transmissível, causada por bactérias e afeta, principalmente, os pulmões. Os sintomas característicos são tosse persistente por três semanas ou mais, febre nos períodos da tarde, suor noturno e emagrecimento sem causa aparente.

O contágio da tuberculose acontece pelo ar: pela tosse, pelo espirro e até mesmo pela fala de quem está infectado. É uma doença que pode atingir qualquer pessoa; mas, por ser transmissível pelo ar, é mais comum em grupos que vivem em ambientes fechados, como presidiários. Além deles, os grupos de risco incluem crianças e adolescentes, homens, moradores de rua e pacientes HIV positivos. 

O risco para as crianças

A tuberculose ainda é uma das principais causas de morte em crianças no mundo. E oferece maior risco para crianças até de 10 anos de idade, quando o diagnóstico é mais difícil de ser feito – que envolve exame clínico, histórico de doenças do paciente e exames que depende de coleta da secreção de muco do paciente e radiografia de tórax, por exemplo. 

Consultas Públicas

As sugestões encaminhadas durante a consulta pública podem confirmar ou modificar essa primeira recomendação da Conitec. Evidências científicas e informações técnicas, relatos de experiências sobre o uso dessas tecnologias para esses ou outros casos da doença podem contribuir para a análise da Comissão. Participe!

Para participar basta preencher os formulários eletrônicos disponíveis no site, no link Consultas Públicas.

registrado em:
Fim do conteúdo da página