Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Consulta pública sobre medicamento para esclerose múltipla se encerra dia 24 de agosto
Início do conteúdo da página

Consulta pública sobre medicamento para esclerose múltipla se encerra dia 24 de agosto

  • Publicado: Terça, 04 de Agosto de 2020, 09h14
  • Última atualização em Terça, 01 de Setembro de 2020, 14h44
  • Acessos: 1097

A análise de incorporação da tecnologia leva em conta uma das formas da doença, a remitente recorrente (EM-RR)

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) avalia a incorporação do ocrelizumabe na rede SUS. Interessados podem participar da consulta pública em vigor sobre o medicamento que retarda o agravamento da incapacidade física em pacientes com esclerose múltipla. O prazo se encerra no dia 24 deste mês. A análise de incorporação da tecnologia leva em conta uma das formas da doença, a remitente recorrente (EM-RR), e o uso do ocrelizumabe como alternativa ou contraindicação ao natalizumabe - medicamento já incorporado ao SUS.

A Comissão encaminhou o texto à consulta pública com parecer desfavorável. A recomendação levou em consideração que os medicamentos apresentam equivalência terapêutica e custos de tratamento diferentes.

Leia o relatório inicial.

A cada consulta pública, são disponibilizados dois formulários eletrônicos: um para contribuições de cunho técnico-científico e outro para que pacientes ou seus responsáveis relatem suas experiências no uso de medicamentos, produtos e/ou procedimentos.

Para participar, com experiências ou opiniões, acesse aqui; com contribuições técnico-científicas, acesse aqui.

SAIBA MAIS

A esclerose múltipla é uma doença autoimune, na qual o sistema imunológico do paciente ataca a membrana que envolve as células nervosas (bainha de mielina) do cérebro, medula espinhal e nervos ópticos, levando à inflamação e diversas consequências físicas e cognitivas, que podem resultar em incapacidades neurológicas.

Estima-se que, no mundo, o número de pessoas vivendo com a esclerose múltipla esteja entre 2,0 e 2,5 milhões.

A doença acomete usualmente adultos jovens, dos 20 aos 50 anos de idade, com pico aos 30 anos, sendo mais rara quando se inicia fora dessa faixa etária. Em média, é duas vezes mais frequente em mulheres e apresenta menor incidência na população afrodescendente, oriental e indígena.

O quadro clínico se manifesta, na maior parte das vezes, por surtos ou ataques agudos, podendo entrar em remissão de forma espontânea. Entre os sintomas, consequências físicas e cognitivas, como dor, problemas com a visão, de equilíbrio e perda de força.

A evolução da doença, gravidade e sintomas não são uniformes, podendo apresentar-se de formas menos ativas até formas de evolução extremamente agressivas.

Tratamento no SUS

Conforme informações do Ministério da Saúde, a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Neurológica atende pacientes com esclerose múltipla e demais doenças neurológicas no SUS.

Ao todo, são ofertados 44 procedimentos (clínicos e de reabilitação) para a doença, de forma integral e gratuita.

Também há um conjunto de medicamentos ofertados especificamente aos pacientes que se enquadram nos critérios clínicos e nas diretrizes terapêuticas determinadas pelo Protocolo Clínico e Diretriz Terapêutica (PCDT) da esclerose múltipla.

registrado em:
Fim do conteúdo da página