Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Ministério da Saúde amplia uso do medicamento sirolimo para tratamento de pacientes com doença rara
Início do conteúdo da página

Ministério da Saúde amplia uso do medicamento sirolimo para tratamento de pacientes com doença rara

  • Publicado: Quarta, 05 de Agosto de 2020, 16h41
  • Última atualização em Terça, 01 de Setembro de 2020, 14h44
  • Acessos: 225

Com ampliação de uso recomendada pela Conitec, o medicamento é o primeiro ofertado especificamente para tratamento da linfangioleiomiomatose

O Ministério da Saúde decidiu pela ampliação de uso do medicamento sirolimo para tratamento de pacientes com a doença rara linfangioleiomiomatose (LAM). A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) recomendou a inclusão do medicamento por considerar haver evidências sobre os benefícios associados a seu uso. Leia aqui o relatório final de recomendação.

A LAM é uma doença rara associada à ativação inadequada de proteínas responsáveis pelo crescimento celular. Essa disfunção leva ao aumento atípico de células musculares nos pulmões, podendo gerar a obstrução das vias aéreas e sanguíneas. Com a evolução, pode haver dificuldades na oxigenação adequada do organismo. Por isso, a doença é considerada progressiva e degenerativa. Ela acomete principalmente mulheres em idade fértil. Em média, os sintomas aparecem por volta dos 38 anos.

Ampliação de uso

Embora ainda não exista cura, medicamentos como o analisado podem contribuir para a estabilização da doença e melhorar qualidade de vida dos pacientes. O sirolimo é um imunossupressor, ou seja, ele age inibindo o sistema imunológico dos pacientes, a sua proliferação celular e a produção de anticorpos. Logo, inibe também a evolução da doença.

Ele já é ofertado no SUS para transplante renal, por exemplo. Nas evidências analisadas, a Comissão observou que pessoas com LAM podem, potencialmente, ser beneficiadas com a oferta da tecnologia.

Consulta Publica

O tema esteve em consulta pública em março deste ano. Foram recebidas pouco mais de 1,9 mil contribuições, a maior parte (99%) a favor da recomendação inicial de ampliação do medicamento. Entre os aspectos mais mencionados, esteve o aumento na qualidade de vida e a necessidade de ter um tratamento disponível no SUS para esses pacientes. Além disso, alguns relatos mencionaram a estabilização da doença com o uso do medicamento.

registrado em:
Fim do conteúdo da página