Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Ministério da Saúde propõe ampliar o tratamento para todos os pacientes com hepatite C
Início do conteúdo da página

Ministério da Saúde propõe ampliar o tratamento para todos os pacientes com hepatite C

  • Publicado: Sexta, 23 de Fevereiro de 2018, 10h42
  • Última atualização em Sexta, 27 de Abril de 2018, 16h45
  • Acessos: 1395
A nova proposta de protocolo inclui os medicamentos elbasvir+grazoprevir e ledispavir+sofosbuvir
 
Com a proposta de incorporação de novas terapias, o Ministério da Saúde pretende ampliar o tratamento para todos os pacientes diagnosticados com hepatite C crônica e aguda. Por meio das consultas públicas nº 09, nº 10 e nº 11, publicadas no Diário Oficial de 23 de fevereiro de 2018, o Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos abre três consultas públicas sobre a atualização do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) da doença e a recomendação favorável à inclusão dos novos medicamentos elbasvir+grazoprevir e ledispavir+sofosbuvir no SUS. Profissionais da saúde, pacientes, cuidadores e familiares podem apresentar suas contribuições no site da CONITEC até o dia 5 de março.
 
A hepatite C, transmitida pelo compartilhamento de seringas ou objetos cortantes contaminados, transfusão de sangue e relações sexuais desprotegidas, é uma das principais causas de transplantes de fígado. O Brasil tem 155 mil casos notificados, e, atualmente, apenas as pessoas com quadros mais graves são elegíveis para o tratamento na rede pública de saúde. Com a proposta de atualização do PCDT - que faz parte do plano do Ministério para eliminar a enfermidade até 2030—, todos os pacientes diagnosticados poderão se tratar no SUS.

A inclusão de elbasvir+grazoprevir e ledispavir+sofosbuvir nas diretrizes terapêuticas permitiriam o tratamento de um maior número de pessoas, uma vez que esses medicamentos têm eficácia e segurança similares àqueles já disponíveis no SUS, porém com menor custo, de acordo com as avaliações realizadas pela CONITEC. Além disso, essas terapias são especialmente benéficas para os pacientes com fibrose hepática avançada e funcionamento renal comprometido (pessoas que realizam diálise). Diferentes estudos científicos demonstram que, após 12 semanas de tratamento com esses medicamentos, a carga viral dos enfermos ficou indetectável em 90% dos casos, o que representa a eliminação do vírus, o principal objetivo do tratamento.
 
Como participar
 
Os cidadãos podem contribuir com informações de caráter técnico-científico, recomendações ou relatos de experiência. Os relatórios da CONITEC sobre as tecnologias estão disponíveis no portal da Comissão. Para participar da Consulta Pública, basta acessar os formulários eletrônicos para inserir comentários e sugestões.
 
Acesse aqui e participe!
 
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
registrado em:
Fim do conteúdo da página