Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias (3) > Consulta pública sobre medicamento para tratamento da asma em pacientes pediátricos recebe contribuições até novembro
Início do conteúdo da página

Consulta pública sobre medicamento para tratamento da asma em pacientes pediátricos recebe contribuições até novembro

  • Publicado: Quarta, 13 de Outubro de 2021, 12h44
  • Última atualização em Sexta, 03 de Dezembro de 2021, 11h45
  • Acessos: 353

Interessados têm até o dia 3 de novembro para enviar contribuições por meio do site oficial da Conitec

Está aberta a consulta pública relativa à proposta de incorporação do propionato de fluticasona/xinafoato de salmeterol para tratamento da asma em pacientes a partir de 4 anos. Interessados têm até o dia 3 de novembro para enviar contribuições por meio do site oficial da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec). A asma é uma doença respiratória crônica geralmente caracterizada por inflamação das vias aéreas e o tratamento divide-se entre opções de medicamentos controladores e de alívio ou resgate. De acordo com o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Asma de 2013, a associação de formoterol/budesonida é disponibilizada no SUS na apresentação cápsula ou pó inalante. Essa opção seria spray, suspensão aerossol para inalação. A escolha do dispositivo deve considerar fatores relacionados ao paciente, como habilidade e capacidade de uso, para obtenção da máxima efetividade. No entanto, para o Plenário, não existem evidências robustas de que essa medicação resulte em maior adesão à apresentação já fornecida pelo SUS por grupos específicos. Assim, a recomendação inicial foi desfavorável à incorporação da tecnologia.

Leia aqui o relatório inicial.

A doença é definida por um histórico dos sintomas respiratórios de chiado no peito, falta de ar, aperto no peito e tosse que variam ao longo do tempo e em intensidade, juntamente com a limitação variável do fluxo de ar expiratório, sendo que este último pode se tornar posteriormente persistente. As variações geralmente são desencadeadas por fatores como realização de exercício físico, exposição a alérgenos ou substâncias irritantes, mudanças no clima ou infecções respiratórias virais.

A asma causa uma estimativa de 250 mil mortes por ano em todo o mundo. Um levantamento realizado recentemente no Brasil mostrou que 12,3% dos asmáticos estão controlados e apenas 32% aderem ao tratamento prescrito.

Saiba mais

O diagnóstico de asma se dá mediante a identificação de critérios clínicos e funcionais, obtidos pela anamnese, exame físico e exames de função pulmonar (espirometria). Fatores que influenciam a evolução, a tolerabilidade e resposta ao tratamento em pacientes com asma incluem comorbidades, exposições a alérgenos/irritantes respiratórios, uso de medicamentos ou drogas ilícitas, hábitos e estilo de vida, condições socioeconômicas, e situações especiais como gestação e extremos de idade.

O tratamento busca atingir e manter o controle da doença e deve ser individualizado, de acordo com o controle e gravidade, preferências do paciente e acesso aos medicamentos.

A via inalatória é sempre a preferida para o tratamento de manutenção e de alívio, por utilizar uma dose menor de medicamento, com maior efeito local e menos efeitos adversos sistêmicos.

registrado em:
Fim do conteúdo da página